sexta-feira, 14 de outubro de 2016

ALERGIA A NÍQUEL: É PRECISO FAZER DIETA?

O níquel é um dos metais mais tóxicos da tabela periódica, estando relacionado a numerosos problemas de saúde, notavelmente nas dermatites de contato. Está presente no solo e em inúmeros alimentos. O corpo humano necessita de uma pequena quantidade deste metal, sendo a ingestão média estimada em 150-700 mg/dia. Esta variação é dependente da quantidade de alimentos de origem animal (baixo níquel) e de origem vegetal (alto níquel) consumida. algumas pessoas podem desencadear uma reação alérgica por ingestão de alimentos ricos em níquel ou por contato. Estudos apontam que pelo menos 15% da população humana sofrem com alergia a níquel.
Indivíduos que trabalham com niquelagem, podem desenvolver carcinoma nasal e pulmonar, inflamação pulmonar e necrose hepática.
Uma dieta com alto conteúdo de níquel pode afetar os níveis de outros nutrientes e, mais do que isto, a deficiência de alguns nutrientes (ferro, cobre, zinco, ácido ascórbico, entre outros).
Uma dieta isenta de níquel pode ajudar pacientes que fizeram testes alérgicos com resultado positivo para essa substância. Alergia a níquel pode causar eczema persistente e outros tipos de dermatites, normalmente no pulso, lóbulo da orelha e na altura do abdômen. Também deve ser evitado contato físico com itens que tenham em sua composição esse metal, como, jóias, chaves, grampos de cabelo. Lembrando que utensílios de cozinha em inox também contém níquel em sua composição.

A combinação de uma dieta isenta de níquel e a retirada de itens que contenham essa substância pode aliviar os sintomas em pacientes que tenham desconforto gastrointestinal provocado por essa alergia.

O mecanismo de absorção do níquel ingerido no corpo não é compreendido inteiramente ainda, alguns estudos mostram que a vitamina C e o ferro são capazes de diminuir a absorção do níquel dietético. Os alimentos conseqüentemente ricos em ferro e os suplementos de vitamina C podem ajudar a reduzir a quantidade de níquel absorvida pelo corpo.

Alimentos com alto teor – Cacau (pó de cacau puro 9,8 ug / g, chocolate amargo 2,6 ug / g, chocolate ao leite 1,2 ug / g), caju (5,1 ug / g), framboesa, abacaxi, figo, tâmara, ameixa, espinafre (0,39 ug / g), couve, feijão (principalmente feijão vermelho 0,45 ug / g), broto de feijão, lentilha, trigo integral, farinhas de multigrãos, farelo de aveia, arroz integral, castanhas, sementes, soja, camarão, ostra, salmão, bebidas achocolatadas e sucos cítricos e de maça, iogurte de framboesa ou de frutas cítricas.

Produtos enlatados não são recomendados.
Carrapatoso, Isabel, et al. "Dermatite endógena induzida pela ingestão de níquel: a propósito de dois casos clínicos." (2004).

http://www.ufpa.br/getsolda/docs_graduacao/trab_niquel.pdf.
Matthew J. Zirwas, MD.  Matthew A. Molenda, MD. Dietary Nickel as a Cause of Systemic Contact Dermatitis. J Clin Aesthet Dermatol. 2009 Jun; 2(6): 39–43.


terça-feira, 16 de agosto de 2016

Alergia Alimentar e Anafilaxia

Anafilaxia é uma reação alérgica grave, que começa subitamente, entre menos que um minuto e até duas horas após a exposição a um alérgeno alimentar ao qual a pessoa desenvolveu um tipo de hipersensibilidade, e que se não for socorrida rapidamente, pode ser fatal.
Quando o corpo é exposto a substâncias que ele considera perigosas, ativa seu sistema imunológico, que produz anticorpos. No entanto, algumas pessoas tem uma reação exagerada do próprio corpo a substâncias ordinariamente inofensivas, produzindo sintomas de alergia. Em geral esses sintomas são incômodos, mas não causam perigo de morte. Contudo, algumas pessoas podem desenvolver essa hipersensibilidade, tendo reações alérgicas severas que levam à anafilaxia.
Não só alimentos podem causar anafilaxia, outros alérgenos podem levar a este quadro como:
  • Medicações, especialmente penicilina, analgésicos, antiinflamatórios não hormonais e antibióticos.
  • Picadas e ferroadas de insetos como abelhas, marimbondos, vespas ou formigas de fogo, entre outros.

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

Amamentação e seus benefícios

Benefícios da Amamentação

A amamentação é uma das atividades mais naturais e benéficas para a mãe e para o bebê. Nenhuma outra ação da mãe terá um impacto tão profundo na saúde atual e futura do seu bebê.
Nenhum leite de substituição consegue reproduzir as propriedades únicas do leite materno, independentemente de quantas vitaminas, minerais e suplementos se adicionem ao que é, no fundo uma formulação química.
O leite materno é o único alimento natural, completo e complexo para os bebês. De igual importância é o fato de a amamentação promover a criação de um laço extraordinário entre a mãe e o bebê, algo que só uma mãe pode dar.
Vantagens para o Bebê
  • O leite materno contêm tudo o que o seu bebê precisa: proteínas, lipídios, lactose, vitaminas, ferro e outros minerais, água e enzimas nas quantidades exatas para o crescimento e desenvolvimento ideais.
  • Os bebês amamentados são mais saudáveis. O leite materno contêm substâncias que impedem o crescimento de bactérias nocivas ao intestino, que causariam infecções gastrointestinais e diarreia.
  • Os bebês amamentados têm menos infecções no ouvido médio, menos infecções respiratórias e um risco reduzido de desenvolver alergias, câncer, diabetes infantil e obesidade.
  • Os bebês amamentados têm um risco reduzido de Síndrome de Morte Súbita infantil (SMSI).
  • Amamentar um bebê prematuro reduz o risco de desenvolver enterocolite necrótica.
  • O leite materno é limpo, livre de bactérias e tem propriedades anti-infecciosas.
  • O leite materno tem a temperatura adequada e não necessita de preparação. Está disponível sempre que o seu bebê precisar.
  • Os bebês amamentados têm menos tendência para desenvolver diabetes, doenças cardíacas, eczema, asma e outras doenças ao longo da sua vida.
  • A amamentação melhora o desenvolvimento cerebral. Estudos comprovam que há um melhor desenvolvimento e acuidade visual em crianças que foram amamentadas.
  • Amamentar é mais do que alimentar. Reforça a ligação emocional entre a criança e a mãe e proporciona calor, amor e afeto.
Vantagens para a Mãe
  • Amamentar reduz as hemorragias pós-parto e o risco de anemia.
  • Dar de mama ajuda a mãe a recuperar a sua silhueta normal rapidamente.
  • Amamentar atrasa o regresso da fertilidade.
  • A amamentação tem um efeito protetor contra diversos tipos de câncer, tais como o câncer de mama e dos ovários, e contra a osteoporose.
  • As mães que amamentam sentem frequentemente mais autoconfiança e melhor adaptação aos seus bebês.
  • O leite materno está sempre disponível e poupa tempo, dinheiro e energia.
  • Os bebês amamentados são mais saudáveis, o que reduz o absentismo das mães no local de trabalho.

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Causas da Alergia Alimentar

O sistema imunológico tem a função de defender o corpo de substâncias nocivas, como vírus, toxinas e bactérias. Os alimentos normalmente são inofensivos a saúde, mas podem desencadear uma resposta imunológica em algumas pessoas. A alergia alimentar é uma reação produzida pela imunoglobulina E (IgE), relacionada a um alimento específico.

Na alergia alimentar o sistema imunológico produz anticorpos e histamina em resposta a um alimento especifico, gerando reações rápidas em até duas horas após a ingestão. Qualquer alimento pode causar uma reação alérgica, mas os principais são: leite, ovo, soja, trigo, amendoim, frutos do mar, peixes e nozes.

A alergia alimentar geralmente começa na infância, mas pode ocorrer em qualquer idade. Muitas crianças felizmente conseguem produzir tolerância aos alimentos alergênicos por volta dos cinco anos. Mas, alergia a nozes, frutos do mar, peixes e amendoim tendem a durar por toda vida.

A intolerância alimentar é muito mais comum e normalmente é confundida com a alergia alimentar, a grande diferença é que a intolerância não tem a participação do sistema imunológico e seus sintomas normalmente são gastrointestinais. 

terça-feira, 9 de agosto de 2016

Receita de Coxinha sem leite, sem ovo e sem trigo

Ingredientes

Massa:
1 unidade grande de batata (215g)
1 colher (sopa) de sal 
1/2 colher (sopa) de óleo
2 ¾ xícara (chá) ou 620 ml de água 
1 xícara (chá) de flocos de milho pré cozido peneirado
1 ¼ xícara (chá) de amido de milho


Recheio:
200g peito de frango desossado e sem pele
1/2 colher (sopa) de óleo
½ colher (chá) de sal 
½ cebola pequena picada (40g)
1 tomate pequeno (94g)
1 ½ colher (sopa) de salsinha
½ colher (chá) de colorau
1 dente grande de alho (2g)
1 colher (sopa) de molho de tomate


Para empanar:
200 ml água filtrada
½ xícara (chá) de farinha de mandioca


Preparo


Recheio
Primeiro cozinhe o peito de frango em pressão por cerca de 15 minutos.
Após cozido, desfie o peito de frango e refogue em uma panela com o óleo, cebola, alho e tomate, acrescente o colorau, o sal, o molho de tomate e por último a salsinha. Reserve o frango refogado.


Massa
Em uma panela de pressão, cozinhe a batata por cerca de 8 minutos. Após cozida, esprema a batata e reserve. 
Em uma panela coloque o óleo, a água e o sal e espere ferver. Quando começar a ferver acrescente os flocos de milho pré cozidos peneirados e o amido de milho peneirado e mexa até a massa desgrudar do fundo da panela. Desligue o fogo e acrescente à massa a batata espremida, mexa até formar uma massa homogênea. Deixe a massa esfriar e em seguida faça bolinhas. Com os dedos faça um buraco na bolinha e coloque o recheio. Feche o buraco e puxe a massa fazendo o bico da coxinha. Empane as coxinhas em água filtrada e na farinha de mandioca temperada e dore na air fryer sem óleo.

O que é Alergia Alimentar

Alergia alimentar é uma reação do sistema imunológico que ocorre logo após a ingestão de um determinado alimento. Mesmo uma pequena quantidade do alimento pode causar alergia em algumas pessoas e desencadear sinais e sintomas, que costumam variar de gravidade. Em alguns casos, a alergia alimentar pode levar a reações graves como anafilaxia, levando à risco de vida.
 
A alergia alimentar afeta de 6 a 8% das crianças com menos de três anos de idade e até 3% dos adultos. Algumas crianças superam sua alergia alimentar à medida que crescem, mas algumas alergias podem durar por toda vida.
 
É fácil confundir alergia com intolerância alimentar, que é uma reação muito mais comum. Esta última, no entanto, é menos grave que uma alergia alimentar e não envolve o sistema imunológico. 
 
www.minhavida.com.br
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...